top of page
topo

PROVAS 2021

20210429_104418_edited.jpg
168140286_264408818564305_40433953535311
GP Alto Minho
GP Costa Alentejana.jpg
GFGERES.png
ourense.png
S.DA GRAÇA.jpg
AVEIROSC
CN
12961488_945085768945771_1396420891853756366_n.jpg
217627045_849831115629583_2393484358281627513_n.jpg
179874182_796769194557437_2792306805764786458_n.png
226138823_4678632935488919_4671042653235748230_n.jpg
GF MONÇÃO
favImage.png
132199288_211236760495164_2064790603716925082_n_edited.jpg
267679514_4565300783546614_534783354533868713_n.jpg

TREINO DE EQUIPA 

treino equipa
20210429_090034.jpg
20210429_103312.jpg
20210429_105052.jpg

TUGACYCLING prepara estreia em 2021 com PRIMEIRO TREINO DE EQUIPA

ERICEIRA/MAFRA recebeu o primeiro TREINO da época.

 

No dia 29 de abril a equipa de masters realizou o primeiro treino da época, que escolheu como destino Ericeira - Mafra. A estreia competitiva acontece já no próximo sábado, dia 8 e 9 de maio, com a participação do TugaCycling no Grande Prémio Baixo Alentejo, onde a nossa equipa no dia 8 vai ter duas etapas, primeiro um contra-relógio por equipas onde vão ter que percorrer 21km, ainda neste dia mas da parte da tarde segue-se a 1.º etapa com 80 km com um acumulado de 600D+.

No dia 9 de maio segue-se a segunda e última etapa com 98km com um acumulado de 1000D+.

Neste dia, Diretor Desportivo do TugaCycling, comandou os trabalhos da equipa tendo em conta as próximas provas, Grande Prémio do Baixo Alentejo e Grande Prémio do Minho, que arranca mais tarde do que o habitual em virtude da pandemia de Covid-19.

Ivo Alves, Luis Nazaré, Jorge Ramalho, Manuel Fonseca, Jorge Nunes, Joaquim Zagalo, Rui Gonçalves  estiveram em presentes. O dia começou bem cedo com a deslocação de vários ciclistas para o ponto de encontro localizado em Alverca, após a concentração da equipa foi realizado um pequeno briefing.  

Onde foram abordados vários temas desde as alterações aos regulamentos, esclarecendo todas as dúvidas existentes.

Durante todo o treino ainda houve uma produção de fotografia e vídeo, a fim de este ser utilizado para publicação nas redes sociais e no nosso site oficial.

 

No final do treino e após os ciclistas terem concluído cerca de 110km com um acumulado de 1500D+ a uma média de 31km/h, foi hora de reunir novamente.

“Foi muito bom estarmos reunidos. O local escolhido para este treino foi formidável onde podemos encontrar todo o tipo de terreno, onde foi possível trabalhar várias intensidades. O treino foi divido em duas partes, sendo a primeira mais vocacionada para o contra-relógio, e após alguma calma foi realizado a segunda parte do treino tendo em foco a 1.° etapa do Grande Premio Prémio Baixo Alentejo. O mais importante de tudo foi me ter reunido com uma parte da equipa, tendo em conta que temos vários ciclistas espalhados pelo o País ”, explicou Manuel Fonseca ciclista oriundo do norte do País. Este treino serviu também para criar bom ambiente no grupo, para que seja feito um bom trabalho de equipa e acima de tudo para fortalecer os laços já criados, disse Manuel Fonseca.

Manuel Correia, presidente da Equipa/Associação TugaCyclling Portugal, ainda disse, '' É o primeiro ano que vamos competir neste escalão de Masters, será uma nova experiência para toda a estrutura, que ainda está um pouco limitada em termos de meios mas queremos dar um passo de cada vez e não dar um salto maior que a perna, estamos a trabalhar todos os dias para sermos melhores. Muitos dos nossos ciclistas ja competiram a este nível já não vai ser novidade para eles daquilo que vão encontrar, o que lhes é pedido é para dignificarem a nossa camisola.'' 

O nosso obrigado a todos os nossos patrocinadores pelo apoio prestado ao longo destes anos, iNGAMBA Tours, KUKA, KWDautomotive, HigiRecolhas, Nova Casa dos Leitões, Girardin Blue Bird, Concrete Systems, Docas Restaurant.

GP BAIXO ALENTEJO

gp baixo alentejo
antevisão do grande prémio baixo alentejo

Após um ano de interregno, a competição no escalão Master parece estar de volta mais forte do que nunca! Muito se deve à empresa EnvolvSport que trouxe para a estrada diversas provas, de norte a sul. Para este Grande Prémio todas as equipas vão-se querer mostrar e para este tiro de partida não podemos prever favoritismos. Vai ser a primeira prova do ano para a maior parte dos ciclistas e prevê-se um pelotão bastante nervoso, em que todas as equipas vão querer estar bem posicionadas.

Para este Grande Prémio vão estar em prova 21 equipas e 150 ciclistas, apesar de não haver favoritismos à sempre equipas que têm mais algo a dizer que outras mas pode haver surpresas.

Vidigueira será nesta localidade que vai ser dado as primeiras pedaladas com um contra-relógio por equipas da parte da manhã do dia 8 de maio.

Vai ser um dia longo porque para além do CR por Equipas o Pelotão ainda vai ter uma etapa em linha da parte da tarde deste mesmo dia, o contra-relógio com uma extensão de 21km à partida não se espera grandes dificuldades. Sensivelmente ao km 9 os ciclistas têm uma subida de 1km com uma pendente a chegar aos 6% de inclinação e no final bem perto da linha de meta outra subida com uma extensão de 2km até à linha de meta instalada em Alvito.

Pelas 16 horas será dado o tiro de partida para a 1.° etapa que vai ligar a vila de Alvito a Castro Verde cerca de 80km com um acumulado de apenas 600D+, sobre esta etapa não há muito a dizer, com certeza que vai ser uma etapa bastante rápida e prevê-se uma chegada em pelotão.

O pelotão mantém-se em Castro Verde para a 2ª etapa, onde vai ligar Castro Verde a Serpa, cerca de 98 quilómetros e um acumulado de 1000D+ é o que separa estas duas vila alentejanas.

Para este dia o cenário vai mudar espera-se chuva para este dia logo trará mais dificuldades ao pelotão. O percurso em si pode-se dizer que é o conhecido parte-pernas, onde as dificuldades se vão fazer sentir nos últimos 15 quilómetros com um subida não muito inclinada mas bastante extensa, e com o acumular do cansaço prevê-se que a chegada seja feita com um grupo bastante restrito ou mesmo uma fuga.

Uma vez que últimos quilómetros vai ser propício a dar-se uma fuga.

Image by Stephan Holzinger
Image by Scott Evans
Image by Frank Nürnberger
grande prémio baixo alentejo

No passado dia 8 e 9 de maio a nossa Equipa Master constituída pelos ciclistas, Ivo Alves, Hélder  Loureiro, Manuel Fonseca e Joaquim Correia, marcaram presença no Grande Prémio Baixo Alentejo.

Este prémio que era composto por um Contra-relógio e duas etapas em linha.

O contra-relógio, uma maratona com 21 km que ligaram a vial de Vidigueira a Alvito a Tavira, um traçado que não era exigente mas com um final onde certamente se fez notar as diferenças. A nossa equipa cumpriu com o que lhe foi solicitado, fazer o melhor possível.

 

Tendo a equipa completado os 21 km em 31m56s com uma média de 39,2km/h. Sendo esta uma vertente que a equipa ainda não esta familiarizada podemos dizer que superamos as expectativas.

 

Ainda no dia 8 de maio pelas 16 horas deu-se o tiro de partida para a 1.°etapa deste Grande Prémio, um traçado com 80km e com cerca de 600D+.

Ivo Alves, conquistou a liderança do seu escalão Master M60 deste Grande Prémio Baixo Alentejo, passando assim a envergar a camisola rosa, deixando o 2.°classificado a 4 minutos de distância margem suficiente para a 2.°Etapa.

Já nos últimos 5 km deu-se uma queda no pelotão apanhando a nossa equipa que se tentava colocar para a chegada em sprint.

Ficamos assim impedidos de entrar na disputa da etapa.

 

Para a  2.°Etapa e último só restava à equipa tentar garantir a liderança de Ivo Alves e tentar disputar a etapa caso a mesma fosse chagada ao sprint.

O dia acordou nublado e com chuva o pelotão nesta etapa iriam percorrer cerca de 100km com 1000D+ qua iria ligar Castro Verde a Serpa.

Nesta Etapa a primeira hora foi realizada a uma velocidade de 40km/h.

A meio da etapa o nosso líder M60 Ivo Alves já seguia com uma vantagem de 8 minutos sobre o segundo classificado, o que dava uma vantagem tranquila para chegar ao final da etapa e comemorar.

O maior dos azares surgiu, o nosso ciclista Ivo Alves teve um problema mecânico que o obrigou a parar não sendo possível a reparação da mesma viu-se obrigado a desistir.

 

Neste Grande Prémio disputado por terras alentejanas foi possível retirarmos pontos positivos para as próximas provas, o nosso obrigado aos ciclistas presentes e muitos parabéns. 

CLASSIFICAÇÕES

CONTRA-RELÓGIO 

GERAL EQUIPAS 

1º CPR A-DO-BARBAS ....00:28:42

2ºUCA .............................. 00:28:52

3º VIVEIROS ......................00:28:57

4º VULCAL ........................00:29:10

10º AZEITONENSE ......... 00:30:14

20º TUGACYCLING ........ 00:31:50

24º AMARO ANTUNES ...00:32:41

1ª ETAPA EM LINHA (ALVITO - CASTRO VERDE)

GERAL EQUIPAS

1º CPR A-DO-BARBAS ..........05:35:30

2º VIVEIROS VL ......................05:35:30

3º GRANDOLENSE .............. 05:35:30

20º TUGACYCLING ............. 05:50:59

23º LUNATICOS PEDAL ...... 06:02:35

Geral Individual

1º Bruno Saraiva (CPR A-DO-BARBAS) ..... 01:51:50

2º André Filipe (CPR A-DO-BARBAS) ........ 01:51:50

3º João Batista (ALMODOVAR) ................. 01:51:50

101º Helder Loureiro (TUGACYCLING) .... 01:53:24 - M30 40 °LUGAR

108º Manuel Fonseca (TUGACYCLING) ... 01:58:11 - M40 35 °LUGAR

123º Ivo Alves (TUGACYCLING) ................02:00:58 - M60 1 °LUGAR

155º Joaquim Correia (TUGACYCLING) ...02:05:01 - M40 50 °LUGAR

171º Dinis Mantas (AMARO ANTUNES) ....02:27:02

 

DSC_0179.JPG
184007908_947034662698674_36728431698370
184240118_297785291831002_68114976805650

Infelizmente são tempos difíceis para todos nós. Estamos atravessar momentos incertos ora se avança ora se recua, vimo-nos obrigados evitar a rua e o contato humano para garantir o controlo da pandemia, Coronavírus (Covid-19). Ainda não sabemos quanto tempo isto irá durar, mas não podemos deixar que o medo ocupem as nossas mentes.

É tempo de ter esperança e de acreditar que dias melhores estão para chegar.

E por este facto não nos podemos esquecer de agradecer à empresa organizadora ENVOLVSPORT.

Que perante o estado atual do País conseguiram reunir e criar todas as condições para que o pelotão Master volta-se à estrada.

Quando se reúne uma equipa competente é quase certo que os frutos valerão a pena ser colhidos. Mas a EnvolvSport superou todas as expectativas e foram ainda mais longe que o previsto. Parabéns a todos!

Para nós enquanto Associação TugaCycling é um orgulho ter participado nesta vossa primeira prova e compartilhar esta nossa paixão que também é vossa certamente. Competência e empenho são talvez as melhores palavras que descrevem todos os elementos envolvidos na EnvolvSport.

Se continuarem a trabalhar com esse profissionalismo, disposição e dedicação é seguro que o vosso futuro será brilhante. Mais uma vez parabéns! Bom trabalho!

186510004_290969345908252_99713107760770

GP ALTO MINHO

gp alto minho
187107537_290967812575072_61646464185378
186508064_290967105908476_12482427471998
186523912_290966525908534_53429659520206
186493186_290969905908196_87388735726423
grande prémio ALTO MINHO

A corrida que assinalou o regresso do ciclismo amador ao norte, apresentou-se com um traçado muito exigente, pela Serra do Soajo em pleno Parque Natural da Peneda-Gerês. 

Este prémio divido com um Contra-relógio individual de 11km e mais 2 etapas em linha, a 1.° etapa a ligar Ponte da Barca a Arcos de Valdevez numa extensão de 75 km com um acumulado de 1400D+, a 2.° etapa liga Vila P. Âncora a Merufe uma distância de 101km e com um acumulado nada meigo de 2158D+.

Para este Grande Prémio contamos com a presença de um só ciclista, Luís Silva.

Com as condições meteorológicas a dificultar a vida ao pelotão, o nosso ciclista Luís Silva completou o seu contra-relógio individual em 19 minutos e 7 segundos a uma média de 35km/h ficando em 84.°lugar da geral e em 14.° lugar no escalão de elite.

 

 

 Já na parte da tarde ainda havia a 1.° etapa com bastante chuva durante toda a etapa  os 35 km iniciais foram percorridos a bom ritmo, não propiciando a formação de fugas.

Após o quilómetros inicias começaram as primeiras dificuldades do dia com entrada no Parque Natural de Peneda-Gerês com as primeiras subidas a surgir, e a partir daqui todo o pelotão foi perdendo vários ciclistas que não conseguiam acompanhar o ritmo imposto na frente deste.

 

No final desta etapa Luís Silva terminou a etapa em 102 °lugar da geral e 15.° lugar no escalão de elite.

“ Foi um dia muito duro com as condições meteorológicas a não ajudar em toda a etapa“ , avançou Luís Silva, que lamentou não se ter conseguido posicionar mais a frente como pretendia. “Tentei fazer o meu melhor como sempre, foi a minha primeira corrida do ano e o meu corpo ainda não se adaptou, mas estou satisfeito com a minha prestação ”, finalizou.

Para a 2.° etapa o nosso ciclista infelizmente não pôde realizar a mesma, devido à logística de deslocação do ponto de partida para o ponto de chegada para o ciclista e para equipa não foi possível estarmos presentes. 

 

Obrigado Luís Silva. 

Foto EnvolvSport

GP COSTA ALENTEJANA

GP COSTA ALENTEJANA
grande prémio costa alentejana

Ivo Alves, corredor da equipa TuagCycling Team,  terminou a 1.° Etapa do Grande Prémio em 2.° lugar do escalão M60. Uma boa exibição da equipa, que chegou a colocar Hélder Loureiro numa boa posição para discutir esta etapa ao sprint.

Grande Prémio Costa Alentejana, corrida que assinalou o regresso do ciclismo master ao Alentejo na vila onde se respira Liberdade, esta 1.° Etapa com partida e chegada à Vila de Grândola   apresentou-se com um traçado muito exigente, de sobe e desce pela Serra, debaixo de um calor intenso ao longo dos  86 km.

Para esta Grande Prémio encontravam-se inscritas 24 equipas com 140 ciclistas.

Com as condições meteorológicas a dificultar a vida ao pelotão e com o tiro de partida pelas 16H00, toda a etapa foi mais uma disputada a alta velocidade, como já vai sendo habitual nestas provas, no entanto a primeira dificuldade do dia encontrava-se logo aos 5 km com a Subida das Silveiras com uma extensão de 4km com uma pendente média de 4,6%. 

O pelotão começou logo a perder elementos devido à velocidade impostas pelas principais equipas, na primeira hora de corrida foram percorridos 41km.

Este Grande Prémio foi disputado em forma de circuito onde os ciclistas teriam que superar as mesmas dificuldades a dobrar.

Os nossos ciclistas conseguiram sempre estar bem colocados dentro do pelotão.

Com a chegada à Vila de Grândola e já com o pelotão compacto, só restava que a etapa fosse discutida ao sprint, onde o Hélder Loureiro tentou entrar na discussão da etapa terminando em 32.°Geral e 11.° M30. Ivo Alves terminou esta etapa um pouco mais atrasado mas sempre junto dos seus adversários mais diretos, 132.°Geral e 2.°M60, já o nosso ciclista Joaquim Correia viu-se obrigado abandonar devido a problemas físicos.

 

Estava tudo em aberto para a 2.°Etapa Alcácer Do Sal.

O bom tempo continuava para este segundo dia de competição, onde mais uma vez o sol foi o maior inimigo dos ciclistas e a isto ainda se juntou o vento.

 

Para esta 2.°Etapa o percurso não apresentava grandes dificuldades, no entanto a parte final da etapa terminava ligeiramente a subir.

Ao longo da etapa houve vários ataques, onde as principais equipas controlaram sempre esses ataques, não deixando ganhar uma grande vantagem.

Ivo Alves seguia bem posicionado junto do líder do seu escalão M60, até que ao km 47 onde já tinha passado as maiores dificuldades do dia surgiu um furo, onde se viu obrigado a parar e a chamar o carro de apoio que se encontrava noutro grupo mais adiantado, após ser assistido foram 70 kms sempre a solo e contra o vento não conseguindo alcançar o seu grupo.

Já na chegada à Vila de Alcácer do Sal e novamente com o pelotão compacto, Hélder Loureiro a faltar 2 km para o final da etapa decidiu atacar onde foi alcançado a 300 metros da linha de meta, foi por muito pouco, mas a mostrar bons indicadores para o futuro.

 

É de lamentar o sucedido com o nosso ciclista Ivo Alves que pela segunda vez consecutiva voltou a furar ficando impedido de discutir a liderança do seu escalão.

Mas todas as provas são uma aprendizagem, no futuro vamos melhorar, passo a passo seguimos nosso caminho sempre com os pés no chão.

 

 

“Foi uma prova dura, sempre feita a alta velocidade. mas o azar voltou-me a bater À porta, de novo outro furo. São circunstâncias da corrida.'' palavras de Ivo Alves.

 

“No final era uma questão de sorte, podia ganhar qualquer um. Estive na luta, senti-me bem e tentei atacar e dei tudo o que tinha mas infelizmente a 300 metros da meta fui alcançado, agora temos que continuar o trabalho e para a próxima quem sabe se a vitória não nos bate à porta, hoje ganharam os mais fortes.“ finalizou Hélder Loureiro

Manuel Correia, Presidente do TugaCycling, disse que esta “foi uma corrida bem disputada, a equipa esteve bem. Tivemos a infelicidade do furo do Ivo Alves, que tirou a oportunidade deste disputar a liderança do seu escalão ou pelo menos fazer pódio. Mas todos estiveram bem e dignificaram os patrocinadores, estamos a marcar o nosso espaço, este é o nosso primeiro ano e primeira aventura estamos sempre aprender”.

GERÊS GRANFONDO

GERES GRANFONDO
GERÊS GRANFONDO/BIKE SERVICE

Após algum tempo de paragem nos Granfondos, devido à pandemia que ainda estamos atravessar a Bike Service colocou mãos à obra e mais uma vez dentro do possível realizou um trabalho extraordinário mais um Granfondo que certamente vai ser memorável.

O Gerês Granfondo assinala o regresso destas míticas provas abertas para todos os amantes deste desporto, a Bike Service para este Granfondo apresentou três percursos, Minifondo com 77km e 1080 D+, Mediofondo com 101km e 1950D+ e o Granfondo com 117km e 2150D+.

 

A nossa equipa esteve representada no Mediofondo pelo ciclista Diogo Almeida que fez uma prova dentro do que era expectável uma vez que saiu das últimas boxes, sendo o objetivo fazer o melhor possível para ajudar na classificação da equipa, completou o seu Mediofondo em 04H52m , ficando em 316.°Geral e no escalão Master A 79.°Lugar.

Já no Granfondo o objetivo da equipa passava por colocar um atleta o mais bem posicionado possível a fim de estar entre os melhores nas primeiras dificuldades do dia.

No Granfondo alinharam Luis Silva, Hélder Loureiros, Manuel Fonseca.

Dada a ordem de partida pelas 9H00 lá foi o pelotão compacto, com um ritmo sempre bastante vivo, mas nenhuma equipa queria assumir a dianteira do pelotão, Hélder Loureiro tomou por diversas vezes a dianteira deste, de forma a mostrar as nossas cores e a dizer que não somos somente mais uma equipa e que estamos convictos daquilo que queremos.

O pelotão seguia compacto e bom ritmo na primeira hora de corrida a média foi acima dos 40km/h, até chegar à primeira dificuldade do dia a subida da Portela do Vale 6km de subida com uma pendente média de 3,8% de inclinação, aqui começou-se a fazer a seleção do grupo da frente e o pelotão a ficar completamente todo partido.

Na frente do grupo seguia Hélder Loureiro juntamente com o favorito, João Moreira da equipa Love Tiles Cycling Sports Team, ficando Luis Silva e Manuel Fonseca noutro grupo mais atrasado, encontrando assim o ritmo adequado para superar ainda o que estava para vir. Manuel Fonseca mais tarde viu-se obrigado abrandar o seu ritmo devido a dores musculares.

Aos 70km a derradeira subida de Germil 12km com um pendente média de  5,6% de inclinação e com o calor a fazer-se sentir tudo se previa que a subida não fosse fácil.

E como se previa aconteceu logo nos quilómetros iniciais um ataque forte do João Moreira ficando assim o grupo da frente ainda mais reduzido, Hélder Loureiro decidiu não responder ao ataque uma vez que ainda faltava muita subida.

No final Hélder Loureiro terminou o seu Granfondo com um excelente resultado 9.°Geral e no escalão Master A 5.°Lugar, excelente prova do nosso ciclista.

Manuel Fonseca apesar de alguma limitações e depois de encontrar o seu ritmo terminou em 87.°Geral e no escalão Master B 28.°Lugar apesar das limitações foi um excelente resultado.

Luis Silva terminou em 147.°Geral e no escalão Master A 48.°Lugar.

Em termos de classificação de Equipa quase que conseguimos fazer pódio, ficando a nossa equipa 4.°Lugar por muito pouco.

Todos os nossos ciclistas estão de parabéns pela excelente prova que realizaram.

 

  

196866762_3963241810451107_5996529094103
197570337_445327379887498_39436686991225
196553126_3967376876704267_2247866874966
200277548_1116946162133891_9483255507157

OURENSE STRADE TERMAL

OURENSE
OURENSE STRADE TERMAL

Luis Silva rumou a terras Espanholas para disputar o Ourense Strade Termal, sendo a primeira internacionalização da nossa equipa este ano. 

O Ourense Strade Termal é uma prova tipo clássica como no mais alto patamar do ciclismo profissional, com cerca de 125 quilómetros e 1800D+ de acumulado, com cerca de 5 sectores de sterrato e com muito pâve à mistura.

Prova esta realizada na pequena vila Espanhola, Lobios pertencente à província de Ourense que faz parte da comunidade da Galiza, Lobios é conhecido pela sua magnífica piscina termal no meio de uma natureza única, a piscina termal é totalmente gratuita para quem visita Lobios.

 

''O dia começou bem cedo com o despertador a tocar as 05:00 e sem demoras toca a levantar tomar pequeno almoço e siga para Lobios.

 

Chegar a Lóbios levantar dorsal últimas verificações e siga para a linha de partida. 09:00 (08:00) em Portugal partida, ritmo controlado nos primeiros km, paissagens BRUTAIS sterrato, estradas desertas fantástico! Ritmo sempre constante até há paragem na fronteira portuguesa, abastecidos seguimos para a parte mais "brutal" sterrado" logo há saida da aldeia num buraco da estrada não muito visiviel duplo furo!!!!

 

Troquei de camara de ar num pneu mas precisava de outra que não tinha! Tive que aguardar quase 1 hora para que chega-se o carro de assistência com os atletas mais atrasados. Mais um momento em que te passa TUDO pela cabeça estas ali no meio do nada sem rede, apenas tu e a bicicleta, mais uma vez o mais facil era desistir mas...não é para um tuga.

 

Esperei quase 1 hora por uma segunda camara de ar. Camara de ar trocada, foi a fundo com garra e emoção ultrapassando muitos, atletas que me viram ali sentado no chão impotente com duas rodas furadas e que muitos nem perguntaram se estava tudo bem e assim foi até há meta final, dar tudo por mim e por aqueles que acreditam em mim! Resultado pouco importa, mas sim a superação mais uma vez!''

Luís Silva regressou de uma grave lesão quase após um ano de recuperação, lesão essa que se deveu ao facto de ter sido atropelado infelizmente.

Acabou este Ourense Strade Termal em 104.°Lugar da classificação geral, com um tempo de 05H50M40seg.

Luis Silva ''Foi uma prova bastante gira com paisagens únicas e uma organização fantástica, ainda estou à procura da minha melhor forma que aos poucos já me vou sentido mais disponível, foi gratificante para mim ter participado nesta prova, no entanto o que mais me surpreendeu foi terem reconhecido a equipa TugaCycling, onde fui abordado por vários atletas referindo que acompanhavam a nossa equipa, surpreendente a equipa TugaCycling ser reconhecida além fronteiras''

Mais uma vez agradecemos ao nosso ciclistas por levar as nossas cores além fronteiras.

202675275_932621007534646_8884651122270472623_n.jpg

GRANFONDO SENHORA DA GRAÇA

SH. GRAÇA
Granfondo senhora da graça

O Granfondo Senhora da Graça prova realizada pelo Cabreira Solutions, talvez das provas mais duras em termos de Granfondos realizados em Portugal Continental.

O Granfondo da Senhora da Graça apresentava-se com três percursos diferentes Minifondo com 53km e 1300D+, Mediofondo com 102km e 2300D+ e o Granfondo com 142km e 3350D+.

Para este Granfondo a nossa equipa apresentou-se com quatro atletas, no Mediofondo com Pedro Ferreira e no Granfondo com Hélder Loureiro, Luís Silva e Tiago Crespo.

O dia apresentou-se cinzento com temperaturas um pouco baixas para esta altura do ano, e ainda com previsão de chuva, pode-se dizer que o dia não estava nada convidativo.

Dado o tiro de partida no Granfondo a nossa equipa assumiu a liderança do pelotão mais uma vez, até ao km 7 onde começou a surgir as primeiras subidas, a partir daqui outras equipas, Love Tiles e Cadão passaram assumir a corrida, impondo um ritmo muito forte onde de imediato fracionou o pelotão ficando o pelotão reduzido a 50 ciclistas.

A primeira subida e a primeira dificuldade estava a chegar a subida para o Alto da Barra subida com cerca de 12 km de extensão e a roçar os 1000 metros de altitude, a subida foi feita a um bom ritmo mas o pior não foi a subida mas sim a descida, frio a rondar os 8° graus com chuva e nevoeiro no final da subida só restavam 20 ciclistas.

 

Nesta primeira subida os nossos ciclistas não querendo entrar em loucuras, decidiram encontrar cada um seu ritmo e descolaram do grupo da fente.

Fizemos este Granfondo de forma controlada de trás para a frente, o tempo e o percurso em si não era convidativo.

No final deste Granfondo acabamos por ter um registo bastante positivo, o Hélder Loureiro, Tiago Crespo e Luís Silva souberam gerir as suas forças e foram ultrapassando vários atletas que tinham seguido no grupo principal.

Terminamos com o Hélder Loureiro no 18.ºLugar na Geral e em 11.ºLugar no escalão Master A, Tiago Crespo no 33.º lugar na Geral e em 15.ºLugar no escalão Master A, Luís Silva em 74.º Lugar da Geral e em 33.ºLugar no Escalão Master A.

No mediofondo Pedro Ferreira terminou em 142.ºGeral e em 33.ºLuagr no Escalão Master B.

Enquanto a classificaçãp por equipas conseguimos um excelente 5.ºLugar.

Luís Silva "O que muitos não veêm, para mim é mais que uma competição é uma superação, devido as minhas limitações e ao esforço feito, no dia a seguir nem andar conseguia tornozelo compeltamente inflamado, só mesmo com ajuda de medicação, por isso há que aproveitar enquanto podemos, vida é demasiada curta!! FAZ O QUE GOSTAS!"

Hélder Loureiro "No meio da etapa, no fim da primeira subida, foi muito duro, chuva intensa frio e muita gente a desistir com hipotermia. Foram 5 a 6 km a descer muito duros e exigentes em termos de clima."

Tiago Crespo "Não me posso queixar, sinto que dei o meu melhor, mas talvez mais bem gerido, podes se fazer melhor, mas fica a experiência para a próxima vez."

O nosso obrigado aos nossos ciclistas que mais um vez defenderam as nossas cores com toda a garra neste difícil Granfondo.

 

AVEIRO SPRING CLASSIC

AVEIRO
AVEIRO SPRING CLASSIC

Uma verdadeira Clássica este Aveiro Spring Classic, prova esta dividida em dois percursos Clássica Curta com 89km e um acumulado de 400D+, a Clássica Longa com 120km e 450D+.

 

E como uma boa clássica esta não fugia à regra, os ciclistas tinham pela frente vários setores em sterrato, pavê, e asfalto, digno de uma verdadeira clássica.

Fomos para esta prova com quatro ciclistas Diogo Almeida na Clássica Curta, e na Clássica Longa Hélder Loureiro, Raul Ramos e Luís Silva.

Tínhamos boas perspetivas para esta prova uma vez que o acumulado não era exigente, e assentava bem às características dos nossos ciclistas.

Pelas 9H00 foi dado o tiro de partida, com um dia agradável, não se fazendo sentir muito calor.

Os primeiros quilómetros foram feitos a um ritmo tranquilo. O nosso ciclista Hélder Loureiro com grandes espectativas começou atacar com o intuito de se formar um fuga mas as principais equipas nao alinharam, deixando-se assim ser apanhado pelo o pelotão.

 

Passados 20 km a equipa do ACR A-do-Barbas decidiu pegar na corrida que até aqui nenhuma quis assumir essa responsabilidade e começou a impor um ritmo mais alto . Pelo km 45 numa rampa, o pelotão começou a perder elementos ficando um grupo com cerca de 60 elementos.

A partir daqui começaram a surgir as primeiras iniciativas de fuga, no segundo setor de sterrato, deu-se uma fuga de 5 elementos. A partir dai o ritmo foi altíssimo, em cada setor de sterrato a velocidade cada vez aumentava mais e aos poucos vários ciclistas foram descolando.

 

Na passagem pelo o setor de sterrato da bruxa sterrtao da bruxa o grupo com cerca de 40 ciclistas ficou reduzido a somente a 18 ciclistas, foram 2km em terra, buracos, saltos ,regos e areia em que a velocidade rondou em média os 50 km/h. 

Após a passagem por este setor deu-se um fuga apenas com um ciclista, em que este ganhou uma vantagem sensivelmente de 3 minutos. 

Neste grupo composto por 18 ciclistas o ritmo foi sempre bastante alto até à linha de meta, em que cada viragem se lutava pelo melhor posicionamento.

 

Já ao chegar na reta da meta o nosso ciclista inserido no grupo perseguidor e numa viragem à esquerda mal sinalizada, entrou mal colocado e perdeu cerca de 10 metros. No entanto ainda foi em busca da melhor classificação possível e tentou entrar no sprint para discutir o 2 e 3 lugar. 

No final O Hélder Loureiro conseguiu ainda assim um excelente um 12.° Geral e um 8.° em Master A.

Hélder Loureiro '' Tentei entrar no sprint final pelo 2 ou 3 lugar mas nao deu. Foi dura a prova pelo ritmo , o sterrtao e a concentração para me livrar das quedas . Aconselho é uma classica top.''

Noutro registo tivemos em prova o Luís Silva que preferiu não seguir o grupo da frente devido ao perigo dos setores de sterrato seguindo ao seu ritmo conseguindo a seguinte classificação 109.°Geral 53.° Master A.

Raul Ramos uma boa surpresa, esta prova adaptava-se bem às suas características de rolador, conseguindo impor sempre um ritmo constante e no final deu um excelente resultado 141.°Geral 10.° Master C, a conseguir um excelente TOP 10 no seu escalão Master C.

Na Clássica Curta tivemos representados pelo o Diogo Almeida que fez a sua prova ao seu ritmo, e que futuramente vai melhorar no entanto já se nota alguma evolução no final deu 94.°Geral 27.° Master A.

Parabéns a todos ciclistas.